Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

bom-dia-3
No comando: BOM DIA 105

Das 06:00 as 08:00

vitoria
No comando: Vitória em Cristo

Das 07:00 as 08:00

manha
No comando: MANHÃ DA TRANS

Das 08:00 as 12:00

jornal
No comando: Rádio Jornal

Das 12:00 as 13:00

estacao
No comando: Estação 105

Das 13:00 as 16:00

tempo
No comando: Máquina do Tempo

Das 16:00 as 19:00

brasil
No comando: A voz do Brasil

Das 19:00 as 20:00

Castello Branco aceita convite para ser o novo presidente da Petrobras

Compartilhe:
15118213965a1c90543b606_1511821396_3x2_md-696x464

Consultor para a área energética da equipe de transição do governo Jair Bolsonaro, o economista Roberto Castello Branco será o novo presidente da Petrobras, confirmou nesta segunda (19) a assessoria do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes.

Defensor da privatização de estatais, o futuro presidente da Petrobras fez parte do conselho de administração da empresa em 2015. Ele deixou o colegiado antes do fim de seu mandato por divergências com a gestão Aldemir Bendine – que em 2017 foi preso pela Operação Lava Jato.

O presidente atual, Ivan Monteiro, deixará a Petrobras no dia 1º de janeiro, disse a companhia em nota divulgada nesta segunda. Monteiro foi nomeado em julho, após renúncia de Pedro Parente, e seu mandato terminaria em março de 2019.

Roberto Castello Branco é professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), onde ocupa o cargo de diretor do Centro de Estudos em Crescimento e Desenvolvimento Econômico da Fundação Getúlio Vargas. Tem pós-doutorado pela Universidade de Chicago e ex-diretor do Banco Central e da Vale.

Chegou ao conselho da Petrobras em 2015 por indicação do ex-presidente da mineradora, Murilo Ferreira, que havia sido nomeado por Dilma Rousseff para presidir o conselho da petroleira estatal.

Deixou a empresa com críticas ao ritmo das mudanças na gestão da empresa, que vivia momento agudo da crise pós-Lava Jato. Considerava na época que de reestruturação interna e de venda de ativos eram tímidos.

Em artigo publicado na Folha em julho, após a criação do programa de subvenção ao diesel, em meio à críticas à concessão de subsídios ao preço dos combustíveis, defendeu a privatização da Petrobras.

“É inaceitável manter centenas de bilhões de dólares alocados a empresas estatais em atividades que podem ser desempenhadas pela iniciativa privada, enquanto o Estado não tem dinheiro para cumprir obrigações básicas, como saúde, educação e segurança pública”, escreveu.

A definição do nome chegou a gerar disputa entre autoridades do futuro governo. Enquanto Guedes defendia a indicação de Castello Branco, o vice-presidente eleito, General Hamilton Mourão, demonstrava preferência por um nome da área militar no comando da estatal.

Castello Branco é amigo de Paulo Guedes desde a década de 1980, quando Guedes presidiu o Ibmec, rede ensino que ele fundou.

Fonte: Folhapress

Deixe seu comentário:

Publicidade

Publicidade

O melhor provedor de internet do Brasil. Assine já!